Aprendendo a rir de si mesmo

Não, não é fácil… requer paciência, investimento, dedicação, uma boa dose de criatividade uma certa… falta de vergonha…

São qualidades alcançadas ao longo do tempo, com grandes esforços.

Ser palhaço? Dos outros ainda? Não! Jamais…

Bem, acho que é aí que está o engano. Rir de si mesmo, não significa ser palhaço dos outros. Significa que você tem se perdoado dos seus inúmeros erros, de suas inúmeras idiotices, de suas inúmeras gafes e melhor, você já sabe que vai fazer inúmeras delas de novo! Significa também que você já passou daquele ponto de querer ser o melhor de todos, a/o mais bonito/a, o/a maioral, e etc. e tal.

Os outros se divertem às minhas custas? Não! Eu tenho prazer em divertir a mim mesmo e os outros pegam carona.

Uma das primeiras coisas que percebe quando você se vê rindo de si mesmo/a é que você já perdeu a compulsão de estar certo o tempo todo. Já perdeu a compulsão de ter razão o tempo todo. Já perdeu a compulsão de ser aquele que dá a última palavra. Percebe que ‘pisa na bola’ vez por outra, ‘escorrega na maionese’ com certa frequência, e isso já faz parte da sua vida.

Seu conceito de respeitar e ser respeitado já mudou. Você pode pesar cem quilos, e se sente com cinquenta… não se sente atacado em momento algum. Nem desafiado. Nem magoado. Nem mesmo diminuído.

Quando alguém faz uma brincadeira com você seja ela legal ou maldosa, já não te importa o que as pessoas pensam de você. O que importa é aquilo que VOCÊ pensa de você. E por isso você ri junto ou brinca junto. A sensação é boa demais!!

Como conseguir isso? Nossa! É difícil responder…

Minha primeira tendência é responder AMADURECIMENTO. Tá, mas odeio palavras que não são específicas. Que são gerais.

O que significaria AMADURECIMENTO nesse caso?

Poderia tentar responder da seguinte forma:

[one_half]

  • Você já percebe que controla, organiza e gerencia seu modo de pensar.
  • Você já descobriu que é diferente de todo mundo, e que isso é bom ao contrário do que sempre ouviu falar.
  • Você já descobriu que ser diferente não precisa ter aquele gosto de solidão, de rejeição, pelo contrário, tem o gosto de exclusividade!
  • Você já descobriu que é uma boa companhia para si mesmo.
  • Porque você já descobriu que pode fazer um montão de coisas sem a participação de outros.
  • Você já descobriu que a participação de outros na sua vida é boa, mas isso não significa que tenha sempre que estar de acordo.
  • Você já descobriu que emoção e sentimentos são coisas boas desde que não paralisem a sua vida.
  • Você já descobriu que identificando as emoções e sentimentos que tem você pode muda-las se elas não servirem para seu crescimento.
  • Você já descobriu que só pode amar o ser humano se souber o que é amar a si mesmo.
  • Você já descobriu que estar sozinho é prazeroso.
  • Você já descobriu que poder escolher suas companhias é divino.

 

[/one_half]

[one_half_last]

  • Você já descobriu que poder escolher a hora em que quer companhia também é muito bom. (não significa que você vá conseguir).
  • Você já descobriu que pode falar o que pensa com as pessoas com que convive.
  • Você já descobriu que pode falar o que pensa com as pessoas com quem convive e nem sempre isso traz bons resultados e você já aprendeu a conviver com isso, porque você tem VOCÊ te apoiando.
  • Você já descobriu que mesmo que elas não concordem com você, poder expressar-se faz a diferença.
  • Você já descobriu que uma pessoa mais nova pode te ensinar muito.
  • Você já descobriu que uma pessoa mais velha pode te ensinar muito.
  • Você já descobriu que o mundo não gira ao seu redor. Se quer alcança-lo corra atrás.
  • Você já descobriu que se não quer alcança-lo, ficar na sua também pode ser bom.
  • Você já descobriu que seu bem estar depende inteiramente de você.
  • Você já descobriu que se os outros comandam sua vida foi porque você deixou.

 

[/one_half_last]

A sensação de autonomia e liberdade é divina…. Mas é assustadora também.

Acredito que, se você levar a sério a lista acima, verá que para alcançar tais objetivos, o tempo que você usava prestando atenção aos outros, será muito melhor investido agora, prestando atenção a você.

Meu filósofo favorito diz: “A objeção, o desvio a desconfiança alegre, a vontade de troçar são sinais de saúde; tudo o que é absoluto pertence à patologia” Nietzsche.

Abraços, Iná

2 comments on “Aprendendo a rir de si mesmo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *